«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

desAlinhado XVII


XVII
a noite desce silenciosa
sobre a majestosa avenida
vestida de gente apressada,
que corre, que pára
que espera e que parte
alheia à humidade da noite
que transpira no granito sujo

viro à esquerda, uma alameda
vazia, quase vazia, um depósito
de carros luxuosos
árvores seculares
de beatas,
de papéis
de escarros,
paralelos perdidos

caminho com o frio nos pés
finjo que corro, apressada
entre faróis amarelos de automóveis
à procura do caminho de regresso a casa
e lentamente vejo-me a desaparecer
uma névoa cinzenta colada aos abetos

pudesse eu
falar
gesticular
erguer os braços
mexer as mãos

pudesse eu ser eu
não sendo invisível

[Meus queridos amigos,
nunca um texto meu tinha sido alvo de tantos comentários. Algo que me deixa bastante feliz. Motivo pelo qual me vejo, agradavelmente obrigada, a deixar aqui uma palavras de agradecimento a todos os que comentam e que lêem.
Não sou mestre com as palavras, por isso deixo aqui o meu sincero Obrigada, pelas vossas palavras, pela vossa visita.
Abraço
LauraAlberto]

13 comentários:

  1. quando a voz
    se cobre
    com a capa do silêncio
    e reverbera:
    poesia!

    Beijinho carinhoso, amiga-poeta-do-além-mar!

    ResponderEliminar
  2. - seu lirismo é, realmente, um dos mais belos, Laura. Parabéns.
    mas confesso que tenho uma visão diferente da invisibilidade do nosso ser, até porque, acredito eu, mesmo o ínfimo sibilo de nossa respiração é capaz de provocar um eco ensurdecedor.

    ResponderEliminar
  3. Ocultamo-nos para...ser? Bom percorrer as avenidas da sua poesia, Laura!

    Beijos,

    ResponderEliminar
  4. Apenas de passagem, só por uma linguagem diferenciada, à invisibilidade da poesia. Presente.

    ¬

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. vi na tela a cena
    os movimentos, a noite, o silêncio, a névoa, as respirações e transpirações
    leio-te e vejo o vídeo e sinto a vibração dos tímpanos
    sinto um arrepio

    beijo grande

    ResponderEliminar
  7. um ser invisível não tem noção da sua própria invisibilidade. estou em crer, amiga, que a verdadeira invisibilidade é o tanto que vemos uma coisa sendo, na verdade, outra totalmente diferente... achem-se novos olhos e os respetivos objetos.
    beijo!

    ResponderEliminar
  8. Laura, tudo bem?

    O invisível quando divisível é amor.

    Beijos e ótimos dias!

    ResponderEliminar
  9. o invisível faz ruídos na cidade e com os olhos escuto.
    Maravilha, Laura
    bj

    ResponderEliminar
  10. Mas não são invisíveis as tuas palavras.
    Excelente poema, gostei imenso.
    Laura, querida amiga, bom resto de domingo e boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. a noite tem este poder, tornar visível o invisível, quanto mais não seja dentro de nós...
    belíssimo como sempre!
    beijo, Laura.

    ResponderEliminar
  12. Meus queridos amigos,
    nunca um texto meu tinha sido alvo de tantos comentários. Algo que me deixa bastante feliz. Motivo pelo qual me vejo, agradavelmente obrigada, a deixar aqui uma palavras de agradecimento a todos os que comentam e que lêem.
    Não sou mestre com as palavras, por isso deixo aqui o meu sincero Obrigada, pelas vossas palavras, pela vossa visita.
    Abraço
    LauraAlberto

    ResponderEliminar