«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

sexta-feira, 18 de maio de 2012

esventrado XII

arrastam-se pesados
entre as sombrias paredes,
sons metálicos
gritados no passado distante


cunham sombras
indeléveis
nas esquinas cegas
do olhar


fracos ossos,
punhos cerrados
cravados no betão da memória:
o teu punhal espera por mim

 

9 comentários:

  1. do corte, que tamanho devemos permitir?

    Beijinho, querida poeta intensa!

    ResponderEliminar
  2. Porque há mortes assim: mais que desejadas, necessárias.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. O passado faz-se sonoridade pesada, sempre, ainda que antes houvesse cantiga de roda.
    bj gigante

    ResponderEliminar
  4. a memória até à mais ínfima célula!
    beijinho, querida Laura

    ResponderEliminar
  5. Do aço das palavras morrem mais do que do aço das navalhas.
    Morrem mesmo os que sobrevivem.
    Beijoss

    ResponderEliminar
  6. Laurinha,
    para os passados próximos os socos devem ter redobrada força.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar