«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

domingo, 18 de novembro de 2012

esventrado XXV


ensaio a frio como cortar os pulsos
sentada num frio banco de ferro
a cidade adormecida
pelo menos finge que não vê
e o tempo cola-se nas espaldas
curva as costas, desenha sulcos no rosto envelhecido

uma moeda perde-se aos meus pés
não sou, não estou
não me olhem:
sou trecho fosco absorvido
pelos vossos olhos apressados

há muito que abandonei o banco
onde ainda me julgam
onde ainda juram me ver
há muito que deixei de ser
a suja estátua de pedra
contudo os pássaros ainda pousam na minha mão

Fotografia de Pedro Polónio, http://club-silencio.blogspot.pt/

14 comentários:

  1. Um pouco de calor no frio da cidade...
    Gostei muito, Laura!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. Excelente poema.
    Com um final de mestre...
    Laura, querida amiga, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. És muito mais do que o frio da cidade ou o silêncio da pedra...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. das ruas, ainda se poderá tirar um pouco de dignidade, quando as estátuas voarem.
    bjs e com saudade das nossas conversas

    ResponderEliminar
  5. não sou, não estou
    não me olhem:
    sou trecho fosco absorvido
    pelos vossos olhos apressados

    Laura, não faz tanto tempo assim que me tornei mais íntima da tua poesia. E é uma alegria ter uma poeta que me toque tão dentro de mim como fazes. Te ler faz amplitudes em mim.
    Beijos,

    ResponderEliminar
  6. Que texto nostálgico... Me lembra de quando encontrei moedas sotlam pela rua, mas não quis apanhá-las por achar que renderiam menos do que o tempo que iria despender em apanhá-las... Mas meu tempo não valia nada.

    ResponderEliminar
  7. ah esses pássaros que teimam e ainda tem aquele blue bird


    beijjo

    ResponderEliminar
  8. É preciso saber se o pouso é em busca de novo voo ou se de migalhas do que já não se tem...

    Sempre tão densa e inquietante a sua escrita.
    Sempre!

    Gosto tanto.

    Beijoss :)

    ResponderEliminar
  9. Há sempre pássaros na mão da estátua,
    na praça, há sempre pássaros assustando o dia.

    ResponderEliminar
  10. Lindo! "sou trecho fosco absorvidos pelos vossos olhos apressados"...adoro. Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Creio que os pássaros estão a convidar para um novo voo.
    Beijos, Laurinha!

    ResponderEliminar
  12. se há pouso, há voos acontecidos!

    beijo, amiga poeta!

    ResponderEliminar