«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

domingo, 8 de abril de 2012

purgatorium XIX


A medo.
Tive o azar. Provavelmente tive o azar de descobrir que um dia, muito lá atrás, muito lá longe e distante: nasci.
Se digo a verdade, será porque fujo da mentira, mas se nem a verdade é eterna, tão pouco o será a mentira. E disto de eternidade começo a ficar cheia. Falsas promessas douradas nos tectos de nossas casas.
O tempo é apenas mais um gigante de dentes podres a nossa espera, ao virar da esquina.
Não sou possuidora das palavras, as que escrevo, pertencem aos que as lêem; as que digo, nunca se chegam a ouvir; as que penso, perdem-se sozinhas. E todo o tempo não chega, todo o tempo é muito tempo.

15 comentários:

  1. queria mais tempo para me aventurar no mundo das palavras e seus sentidos...

    beijinho carinhoso, poeta amiga!

    ResponderEliminar
  2. Nascer é ingressar numa girândola em que tudo é legítimo, incluindo questionar se é uma questão de sorte ou azar. Só que, enquanto nos prendemos niso, estamos a perder um tempo precioso.
    Sorte ou azar?
    Porra, vive!

    Bj

    ResponderEliminar
  3. poeminha breve e assustado

    o tempo comeu
    minhas palavras:
    rumino ausência




    beijo

    ResponderEliminar
  4. Poemas em prosa sempre tão verdade!
    Gosto de ler os seus textos até ao tutano!
    Parabéns!
    Continue!

    ResponderEliminar
  5. - as palavras que pronunciamos, mesmo que seja um sibilo tímido, são capazes de reverberar por todo o globo, romper a atmosfera e atingir o âmago das estrelas que distam de nós milhões e milhões de luzes.
    é como o silêncio compartilhado dos amantes e apaixonados, dizem muito porque somente o sentimento importa.

    ResponderEliminar
  6. Todo o tempo é muito tempo e nós sempre lutando contra ( e por) ele...vá lá compreender a vida.
    Beijo minha querida e bom regresso.

    ResponderEliminar
  7. sem me aperceber muito bem quando e como, passei a arrancar do tempo, os seus silêncios cínicos, a desmontar o seu sorriso invulgar, e a admirar a sua rapidez ainda que morra...
    fez-se pequeno e caminho...

    beijo, querida Laura!

    ResponderEliminar
  8. Saudações quem aqui posta e quem aqui visita.
    É uma mensagem “ctrl V + ctrl C”, mas a causa é nobre.
    Trata-se da divulgação de um serviço de prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins. Para saber mais, visitem o sítio do projeto.

    CASTANHA MECÂNICA - http://castanhamecanica.wordpress.com/

    Que toda poesia seja livre!
    Fred Caju

    ResponderEliminar
  9. Saudações quem aqui posta e quem aqui visita.
    É uma mensagem “ctrl V + ctrl C”, mas a causa é nobre.
    Trata-se da divulgação de um serviço de prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins. Para saber mais, visitem o sítio do projeto.

    CASTANHA MECÂNICA - http://castanhamecanica.wordpress.com/

    Que toda poesia seja livre!
    Fred Caju

    ResponderEliminar
  10. do tanto que se diz e do outro tanto que se não escuta. até porque todo o tempo é tempo; nós é que o adverbiamos convertendo-o em muito e pouco, em bem e mal. assim, nós e ele - o tempo.

    beijo não acreditando em sortilégios mas em nexos de causalidade.

    ResponderEliminar
  11. Laurinha,
    já que tudo em nossa vida é no gerúndio, e muitas vezes no composto, se nasce-nascendo, vive-morrendo ou morre-vivendo, que eu prefiro, viver-amando.

    Amo essa série!

    Beijinhos e ótimos dias!

    ResponderEliminar
  12. Verdades e mentiras...
    Nós e o tempo...
    Tudo esta contaminado e contamina,
    assim vamos vivendo
    azar ou sorte?
    Bj imenso, Laura querida

    ResponderEliminar
  13. Assim que puder vou dar uma lida nesses seus contos, já que faço contos também é sempre bom adquirir mais mais experiências.

    Grande Beijo
    F. Otávio M. Silva
    Surfista de Banzeiro
    http://www.surfistadebanzeiro.com/2012/04/e-se-eu-preferir-errar.html

    ResponderEliminar
  14. E vamos em frente mesmo assim, vamos engatando ré, derrapando, acelerando, assoviando, vamos, vamos, vamos que vamos que é pra frente que se anda, que atrás vem gente e outros clichês, bons clichês rsrs
    beijoss

    ResponderEliminar
  15. Talvez tenhamos o livre arbítrio de extirpar os dentes podres de cada esquina desta roda do tempo.
    Lindo texto.

    Beijos

    ResponderEliminar