«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

quinta-feira, 26 de abril de 2012

esventrado IX

nada
lá fora o vento que agita os pinheiros
as primeiras gotas do que se adivinha ser uma tempestade
a loucura das nuvens perdidas


nada
o som dos poucos automóveis que ainda passam na estrada
do outro lado da casa
o medo dos melros à procura de alimento


nada
o silêncio preso no ar
o ruído dentro das paredes
o riscar de unhas no interior do cimento


nada
os outros
encarcerados numa recordação de carne
a apodrecer

 
Mogwai - Radar Maker

10 comentários:

  1. Laurinha,
    esse "nada" parece-me uma pausa de "tudo", mas não o antagonismo para o "tudo".
    Lindo!
    Você sabe que já sou viciada na sua poesia.
    Então, volto!

    Beijos e ótima sexta-feira!

    ResponderEliminar
  2. Hum... Laurinha,
    fiquei na dúvida se foi publicado meu comentário, pois não deu mensagem de confirmação para moderação. Qualquer coisa, me avisa. Beijos!

    ResponderEliminar
  3. - a carne passa.
    a mente ecoa e propaga para além dos extremos, superando o tudo, superando o nada.

    ResponderEliminar
  4. Há no cárcere o nada, que é muito, que é tudo.
    Perturbador!
    bj grande

    ResponderEliminar
  5. Nada.
    Mas o acaso da loucura não é gratuito. Tampouco a perdição das nuvens.
    Beijoss :)

    ResponderEliminar
  6. e quanto se esconde em cada um desses nadas, laura?
    quem o [não] sabe?

    um abraço com pronúncia francesa, já :)

    ResponderEliminar
  7. Tudo lá fora e nada cá dentro.
    Há momentos assim, esventrados de nada...
    Laura, querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Laura
    Nada me demove daqui para apreciar seus esventrados,

    Beijos

    ResponderEliminar