«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Manifesto CXIV

A montanha

I

ficava aqui, até que fosse dia
até que fosse noite e todas as horas guardassem:
o vento que foge, frio, distante, ao largo de nós
o gelo que rodeia os pés, as pernas, o tronco, o corpo roubado

é tarde, ambos sabemos
a chuva deu lugar ao sol, ao ar seco
e ambos sabemos:
que nenhuma pedra guarda o teu nome

II

mais umas horas e a cidade descansa
todos dormem entre a escuridão
pousam as suas cabeças sobre o silêncio
e fintam o frio com pesados cobertores

é:
mais umas horas e todos descansam,
eu deixo que a montanha viole o último rasgo de ar

1 comentário:

  1. "ficava aqui até que fosse dia"
    e que a noite não mais passasse.

    ResponderEliminar