«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

terça-feira, 8 de junho de 2010

Vida(s)

Um segundo,
vê-me.
Dois segundos,
nada.
Três segundos,
nada ainda.
Quatro segundos,
toca-me.
Cinco segundos,
toco-te.
Seis segundos,
Parámos.

(Silêncio)

Sete segundos,
beijamo-nos.
Oito segundos,
a repetição.
Nove segundos,
e de novo.
Dez segundos,
a tempestade.
Onze segundos,
o silêncio.

Séculos apenas,
sozinhos.


Skull, Andy Wharhol, 1976

6 comentários:

  1. a isso chamo de salto no tempo. saltemos antes o tempo, querida raquel.
    um abraço!
    p.s. este warhol é fantástico, não? lembro-me sempre do filme "basquiat" em que wahrol é representado pelo camaleão david bowie. imperdível, simplesmente!

    ResponderEliminar
  2. Assis, tomara eu saber o que se esconde por trás do ou!
    Beijo

    ResponderEliminar
  3. ou eterno (des) encontro, Talal.
    Beijo
    Laura

    ResponderEliminar
  4. Jorge, se fores ver postei um quadro do Basquiat na semana passada!!
    Viva à relatividade do tempo!
    Beijos
    Laura

    ResponderEliminar