«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

notas para genesis dissemelhante


I
talvez ainda devore o pão
amassado no suor do meu rosto
temendo o pó que me assalta a sepultura

II
teimo em ordenar aos bichos
novas regras
organizando-os a meu bel-prazer

III
ainda assim resta a lembrança
do jardim, dos céus e da terra
da chuva impossível  que fez brotar as sementes

IV
longe estão já
os tempos do diluvio
quarenta dias e também quarenta noites

V
os que se salvaram
são os heróis prometidos
que carregam punhais escondidos

VI
geraram-se filhos, geraram-se filhas
e eis que fomos corrompidos
numa terra tingida de sangue

VII
duzentos e cinco anos
com as mesmas palavras
atravessadas na garganta

VIII
e toda a eternidade
com o estranhar
do dialeto do vizinho

IX
assim me marcas: homicídio não consumado
assim me desculpas: mas os outros não
assim me condenas: entregue a mim próprio

X
apenas quis perceber o teu lugar
apenas quis saber o que pensar
mas o teu rosto não assome no horizonte

Fotografia Pedro Polónio, http://club-silencio.blogspot.pt/

10 comentários:

  1. mesmo que as chuvas lavassem os solos
    e o sangue brotasse em folhas de alecrim
    o homem ficaria
    condenado a si
    e à memória

    ResponderEliminar
  2. Que vontade de comer essa poesia, pra ficar entranhada.
    Todas as verdades e o perder-se que cabe a cada olhar que a gente ganha.
    Lindo :D

    Laura, tou de espaço novo!
    http://ape-trechos.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  3. a fogueira dos rostos que se não divisam no horizonte, dez mandamentos de são-esquecer nesta terra queimada e profana para poder semear as raízes do que salva: rostos humanos que eternizam, desses que geram e são gerados, numa dialética sem dilúvios, punhais escondidos, ou heróis prometidos.

    leio-te dez vezes e de todas elas há cicatrizes que [ainda ]estalam [n]a pele.

    beijo, laura!

    ResponderEliminar
  4. o jogo da dialética e os seus contrários: a tudo se serve para nenhum fim,



    beijo

    ResponderEliminar
  5. Referes-te às invasões francesas?
    Embora tétrico, gostei imenso do poema.
    As tuas imagens poéticas são excelentes.
    Laura, tem um bom domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Laurinha,querida
    Poesia que sempre me impacta, e hoje estou gripada e febril, então o soco parece mais intenso! Mas é um soco bom.
    Parabéns pelas tuas letras, sempre.

    Beijos com um saudadão de ti!

    PS.: Pretendo fazer uma postagem em março, ou abril e colocar como incipt um fragmento de poema teu, citando tua autoria, claro. Espero que não tenha problema para ti. Tudo bem? É que tua poesia é tão imensa que quero te citar lá na minha casa virtual.
    Mais beijos!

    ResponderEliminar
  7. Longe os tempos do dilúvio, talvez, mas as marcas da tempestade perduram...

    Mais um poema excelente, parabéns!

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. A arte da vida tem que se lhe diga, mas tu teimas em entendê-la, libertando-te de viscosidades diversas. Ainda bem.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  9. Querida Laura
    Mais um estrondo de poema. Vejo o ribombar do dilúvio que ainda não terminou.

    Beijos.

    ResponderEliminar