«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

esventrado XXI


amaldiçoo o dia que nasce
enchendo o tempo de luz
tocando de leve no rosto dos mortais iludidos

trilho a noite entre abismos
profundos que me crescem no peito
ouço os ecos roucos dos mortos

ateio fogo ao corpo
que sempre viveu viciado
pelo calor do inferno que ergueu

vejo-me arder
vejo-me ser cinzas
vejo-me obrigada a viver tudo de novo

todo este céu azul
causa-me náuseas
e o vomito cresce incontrolável

Fotografia de Pedro Polónio, http://club-silencio.blogspot.pt/

14 comentários:

  1. ok
    esse poema foi meio que escrito comigo em mente...
    rs

    abração e linda semana!

    ResponderEliminar
  2. A vida é um renascer constante. Principalmente quando o dia e o azul estão tão conspurcados...
    Este poema contém todos os ingredientes da boa poesia, mesmo comparado com a poesia de autores consagrados. Os meus parabéns por teres conseguido transpor para as palavras o imenso talento que tens como poeta.
    Beijinhos, querida amiga.

    ResponderEliminar
  3. O céu azul
    Terror dos melancólicos
    A boa poesia precisa do cinza
    Para ser tão bela quanto a sua!

    ResponderEliminar
  4. quantos mortais iludidos ainda serao tocados por esta luz.
    quando seremos libertos desta tirania.
    quando herdaremos dos mares o impeto, o poder de igualar a humanidade.
    parabens Laura
    admiro sua escrita sua sensibilidade

    ResponderEliminar
  5. - seu poema revela muito da angústia do íntimo. da dor que é ser quando se têm dúvidas e se alfige em mágoas.
    mas, em todo caso, mesmo nadando contra a conrrente, é importante dizer, que ainda no ambiente mais escuro, há luz.

    ResponderEliminar
  6. O fogo queima e arde, mas também transforma e purifica. E que venha o novo! Seja dia ou noite, ele vem e nos transborda a alma.

    Bjos!

    ResponderEliminar
  7. Você consegue fazer renascer das cinzas outro céu amaldiçoado de luz. É espantoso o seu poetar.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Maldição poética perfeita! Quisera eu saber estripar com tanta força poética sentimentos que ardem e queimam o âmago
    do meu ser da forma como o fazes!!!

    beijoss

    ResponderEliminar
  9. a combustão do ser...
    e quantas vezes tentador, largar a pele e começar de novo.

    beijinho, Laura!

    p.s. também adorei a fotografia, linda!

    ResponderEliminar
  10. Por vezes, não há alquimia, nem saber, nem amor... apenas um patíbulo!

    Beijos,
    AL

    ResponderEliminar