«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Por tu e por nada (ou o poema cru)

Etc. e tal.
E se me der igual?
Oh pá, não vou levar a mal.
Nem que me chames animal.

E se depois não der?
Não importa quem por aí vier,
Mergulho num charco qualquer
Sem que nada possa trazer.

Mas se um dia mudar,
Não será ar que vou respirar,
Nem a ti quem vou buscar,
Nesse nada lugar.

Algum dia serei diferente?
Perto ou longe desta gente?
( )
Tua mão na minha para sempre.

Jorge Pimenta e Laura Alberto



2 comentários:

  1. duas mãos... duas caligrafias... frente e verso... etc e tal...

    ResponderEliminar
  2. e espero que me dê igual....

    ResponderEliminar