«Escrever não é agradável. É um trabalho duro e sofre-se muito. Por momentos, sentimo-nos incapazes: a sensação de fracasso é enorme e isso significa que não há sentimento de satisfação ou de triunfo. Porém, o problema é pior se não escrever: sinto-me perdido. Se não escrever, sinto que a minha vida carece de sentido.»
de Paul Auster
"Saber que será má uma obra que se não fará nunca. Pior, porém, será a que nunca se fizer. Aquela que se faz, ao menos, fica feita. Será pobre mas existe, como a planta mesquinha no vaso único da minha vizinha aleijada. […] O que escrevo, e que reconheço mau, pode também dar uns momentos de distracção de pior a um ou outro espírito magoado ou triste. Tanto me basta, ou não me basta, mas serve de alguma maneira, e assim é toda a vida."
de Bernardo Soares

quarta-feira, 10 de abril de 2013

esventrado XXIX


[para os que partem, com os olhos noutro futuro, para os que ficam e os vêem partir]

onde estão os teus filhos
que alimentaste com o peito em ferida
cantando as glórias de viriato

entregaste as suas almas
ao mar da tempestade na esperança de outros futuros
e viste-os padecer na orla da praia

pedaço de terra, país de sofredores
que carregam a cruz que não puderam escolher
porque fechas os olhos agora

ah, Portugal, que fizeste tu
parindo fortes guerreiros

ah, Portugal, que fazes tu
abandonando os teus filhos

talvez eles voltem, um dia, Portugal
com a lágrima nos olhos
e tu com os braços bem abertos lhes beijes a fronte

talvez fiquem bem longe de ti
com a triste memória
de serem os teus filhos esquecidos

11 comentários:

  1. A emigração cantada com excelência!

    Bom regresso, minha querida!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. "oh mar salgado
    quanto do teu sal
    são lágrimas de portugal"


    beijo, beijo

    ResponderEliminar
  3. desliza as palavras
    e forma um poema de qualquer cor, dor, ida, clamor (nem sei usar essa palavra: "clamor") :)

    bj

    ResponderEliminar
  4. cada vez mais uma triste realidade...
    belo poema, Laura!

    um abraço e beijos

    ResponderEliminar
  5. Laurinha,
    um oceano que se vai embora quando é partido.

    Beijos na esperança de que esteja tudo bem com vocês!

    Saudades de ti!

    ResponderEliminar
  6. um Belo texto sobre partida, lembra muito um poema meu que não me recordo o nome.
    Estou de volta de pois de um bom tempo sem postar no meu blog e conto com seu comentário lá. http://www.surfistadebanzeiro.com/2013/04/a-menina-fulo.html
    Espero que goste.

    ResponderEliminar
  7. Querida Laura

    Que lindo grito. Contundente para minha pátria também.
    Fiquei surpresa quando uma amiga que esteve recentemente aí disse-me que tem muitos e muitos mendigos nas ruas como aqui.

    Lindos dias para você.
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. brasileiros
    precisamos entender melhor Portugal

    fato é que
    nós nos esquecemos filhos

    quem vai reatar estes nós?

    (belíssimo poema)

    abs

    ResponderEliminar
  9. e a pele tem o sal da nossa terra!

    beijo, poeta!

    ResponderEliminar